Bolsonaro planeja fazer uma apuração paralela e em tempo real dos votos

Os planos de Jair Bolsonaro para o momento da apuração dos votos das urnas eletrônicas em outubro já estão sendo expostos a aliados e até a empresários que estiveram com ele recentemente. E têm tudo para aumentar não só a natural tensão daquelas horas como causar (a talvez desejada) confusão.

Bolsonaro promete fazer uma espécie de apuração paralela da votação, baseada nos dados que o próprio TSE vai fornecer. E a divulgará em tempo real por suas redes sociais e por todo um conjunto de veículos ligados ao bolsonarismo.

Na apuração, o TSE pela primeira vez vai disponibilizar na internet, em tempo real, os boletins de urnas das 577 mil seções eleitorais.

Cada urna tem um boletim em separado. Especialistas temem que o cruzamento de dados feito pela campanha de Bolsonaro possa ser motivo de perturbação.

Auditoria

O PL assina em breve o contrato com o Instituto Voto Legal, do engenheiro Carlos Rocha, para a auditoria das eleições. A legenda já credenciou a empresa junto ao TSE, mas chegou a conversar com outras empresas que atuam em segurança e fraudes como alternativas.

O problema, porém, é que a legislação diz que a contratada não pode ter fins lucrativos.

Como o PL não conseguiu encontrar nenhum outro instituto, vai mesmo assinar o contrato de R$ 1,35 milhão com a empresa de Rocha. (Lauro Jardim)

Deixe uma resposta