CPI da Covid: “Não sou e nunca fui investigado”, diz ex-prefeito Edivaldo sobre ser convocado

O senador Alessandro Vieira (Cidadania-SE) protocolou requerimento solicitando a convocação do ex-prefeito de São Luís, Edivaldo Holanda Júnior (sem partido), pela CPI da Covid.

“Não sou e nunca fui investigado, portanto não tenho o meu nome manchado por qualquer conduta que me desabone como cidadão ou gestor público. Como ex-prefeito, com tranquilidade me coloco à disposição para ajudar no que for necessário para informar sobre as medidas que adotamos para o enfrentamento da pandemia em São Luís”, afirmou Edivaldo.

A CPI (Comissão Parlamentar de Inquérito) da Covid no Senado deve votar nesta 4ª feira (26.mai.2021) requerimentos para convocar governadores de 1o estados e prefeitos e ex-prefeitos de 7 capitais. O critério de escolha dos gestores foi definido pelos locais onde houve operações da Polícia Federal para investigar mau uso do dinheiro destinado ao combate à pandemia.

Os Estados alvos são: Waldez Góes (PDT), do Amapá; Wilson Lima (PSC), do Amazonas; Helder Barbalho (MDB), do Pará; Cláudio Castro (PSC), do Rio de Janeiro; Eduardo Leite (PSDB), do Rio Grande do Sul; Marcos Rocha (PSL), de Rondônia; Antonio Denarium (sem partido), de Roraima; Carlos Moisés (PSL), de Santa Catarina; e Mauro Carlesse (PSL), do Tocantins. O governador do Distrito Federal, Ibaneis Rocha (MDB), também deve ser convocado, mas nesse caso, a investigação foi deflagrada pelo Ministério Público do DF.

Já as capitais são: Aracaju (SE), Fortaleza (CE), Macapá (AP), Recife (PE), Rio Branco (AC), São Luís (MA) e São Paulo (SP). Podem ser convocados atuais prefeitos ou seus antecessores.

Se aprovados os requerimentos, a ida dos gestores estaduais representará nova fase da comissão, que até o momento tem focado sua atuação em investigações contra o governo federal, especialmente o Ministério da Saúde. Os senadores, especialmente os governistas, querem investigar como foi usado o dinheiro repassado pela União aos Estados e municípios para combater a pandemia.

Deixe uma resposta