Flávio Dino desmente no Vaticano representante do governo Bolsonaro

O governador do Maranhão, Flávio Dino (PCdoB), rebateu nesta segunda-feira (28), no Vaticano, durante reunião da Cúpula dos Governadores dos estados Pan Amazônia, as declarações do secretário de Assuntos de Soberania Nacional e Cidadania do Ministério das Relações Exteriores, Fábio Mendes Marzano, para quem não há crise ambiental na Amazônia, principal motivo que levou o Papa Francisco a promover o debate.

“Não se justifica falar em crise ambiental no Brasil”, disse Fábio Mendes Marzano, representante do governo Bolsonaro, posicionando-se contra a avaliação feita no Sínodo da Amazônia.

Durante a participação na Cúpula, o governador Flávio Dino lembrou que o Brasil experimentou dois momentos recentes que provam a existência de uma grave crise ambiental: as queimadas na Amazônia e, atualmente, o derramamento de óleo no nordeste brasileiro.

Para o governador do Maranhão, a reunião tem o importante papel de combater o discurso de negação de uma crise ambiental e de enfrentar as consequências e impactos com rapidez que é exigida nessas situações.

“Bebendo da fonte do Sínodo da Amazônia, é preciso enfrentar o negacionismo e, ao mesmo tempo, enfrentar os discursos equivocados sobre a soberania nacional. A soberania nacional não é um valor que impeça a cooperação entre os povos, ao contrário, exige”, defendeu Flávio Dino.

Na oportunidade, o governador do Maranhão destacou ainda a importância dos países se comprometerem com as populações indígenas e demais povos tradicionais. “Me parece algo fundamental, sobretudo no que se refere à defesa dos territórios que estão, infelizmente, ameaçados por uma lógica integracionista, assimilacionista, que visa, na verdade, negar a dignidade dos povos tradicionais”, destacou Flávio Dino.

Ele apresentou aos presentes a experiência do Maranhão, que produziu um Plano Plurianual dedicado aos indígenas, sugerindo esta como uma alternativa específica também no documento final da Cúpula.

No discurso, Flávio Dino pontuou a necessidade urgente de combater, como foi orientado no Sínodo, o antagonismo do superdesenvolvimento, em que nações ricas e privilegiadas consomem em excesso, e o subdesenvolvimento, com nações excessivamente pobres.

“(É preciso) que sejam lembradas que as responsabilidades dos conceitos das nações sejam diferenciadas, na medida em que os mais fortes devem, de fato, cumprir os seus compromissos atinentes à fonte de financiamento de um novo modelo de desenvolvimento equilibrado, sustentável para a Amazônia e para a humanidade”, ressaltou.

Da redação do Vermelho com informações do Deutsche Welle e da Agência de Notícias do Maranhão

Deixe uma resposta