Folha de São Paulo diz que foi censurada a pedido de Braide e mostra documentos de investigação

Da Folha de São Paulo – A pedido de Eduardo Braide (Podemos), candidato a prefeito em São Luís (MA), a juíza Cristiana de Sousa Ferraz Leite, da 76ª Zona Eleitoral do Maranhão, censurou publicação da Folha sobre um documento do Ministério Público que citava o político como investigado.

A decisão, dada neste domingo (8), mandou retirar “imediatamente” o conteúdo do ar. O texto foi publicado no site da coluna Painel no sábado (7) às 23h15, e a ação foi protocolada no domingo.

Folha foi intimada de decisão na manhã desta segunda (9) e protocolou um pedido de reconsideração início da tarde. No site do jornal, o texto foi suprimido após a notificação.

“A censura é intolerável, e vamos tomar providências para que a decisão seja revista”, diz Luís Francisco Carvalho Filho, advogado da Folha.

Segundo a juíza, as afirmações da publicação “não estão embasadas em provas, apenas cita um documento do Ministério Público, mas não o apresenta nem informa onde pode ser consultado.”

Cristiana afirma que a manutenção da publicação “tem potencial de causar danos irreparáveis ao candidato”, no contexto eleitoral atual, “pelo conteúdo desabonador à sua imagem”.

Ela diz também que as certidões apresentadas por Braide atestam que não foram encontrados registros em que ele conste como indiciado (que é diferente de investigado —o ato de indiciamento, que em nenhum momento foi citado pela Folha, ocorre quando a autoridade investigatória encontra elementos que apontem para a autoria do crime).

A reportagem falava sobre um documento sigiloso do Ministério Público de 2019 em que o procurador Ronaldo Meira de Vasconcellos Albo classifica o candidato como investigado ao posicionar sobre em qual instância deveria ficar o caso, que apura desvios em licitações.

A discussão do foro ocorreu porque Braide é deputado federal desde 2019 e os fatos apurados, anteriores ao mandato.

Na manifestação, Albo afirma que foram identificadas movimentações atípicas pelo Coaf de 2011 a 2014, quando Braide era deputado estadual.

Entre os documentos aos quais a Folha teve acesso estão: a manifestação do procurador (citada acima), um despacho do desembargador Olindo de Menezes (do TRF-1) determinando que o caso fosse enviado para o Supremo e uma procuração do próprio Eduardo Braide constituindo defesa nos autos do inquérito.

No pedido de reconsideração, a Folha diz que a ordem viola o exercício da garantia constitucional que assegura a liberdade de imprensa e o acesso à informação.

6 pensou em “Folha de São Paulo diz que foi censurada a pedido de Braide e mostra documentos de investigação

  1. Inquérito policial? Investigação? Direito processual penal e NCPC, manda um abraço pra turma do governador que andam desesperados com a vitória de Braide e ascensão deste ao novo pupilo dos Maranhenses. Em tempos, ainda aguardamos os esquemas que Márcio Jerry vai derrubar kkkkkk!

  2. Blogueiro comunistazinho da Desgraça, não adianta vcs tentarem nós tirar o direito de votar no BRAIDE…iremos elege-lo …podem esperar !!!

    • É tão bom vê o desespero dos comunistas. Hahahahahaha
      O consórcio afundou. Hahahaha.
      O início do fim do comunismo, se Deus quiser, começará por São Luis.
      Fim ao comunismo.
      Fim a perseguição.
      Braide rumo a vitória pro desespero dos comunas. Hahahahahahahaha.

  3. Flávio maldade está desesperado porque o consórcio da maldade está naufragando. Vamos expulsar esses comunistas que gostam de roubar a população e gostam de mordomia dentro do palácio dos leões, Flávio maldade está quase explodindo de gordo. Criticava Roseana pelas comidas servidas no palácio, hoje faz pior. Seu fim está chegando.

Deixe uma resposta