PT não aceita mudança proposta pelo PSB na direção da federação

O PT não aceitará a proposta feita pelo PSB de mudar o critério para o cálculo do número de assentos que cada legenda terá na direção da futura federação em torno da candidatura do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

Na tentativa de romper a hegemonia do partido de Lula e conquistar mais assentos, a bancada do PSB elaborou uma lista de reinvindicações entregues na última semana.

Entre os pontos listados, o de maior discordância é o número de assentos na chamada assembleia da federação, ou seja, no órgão com 50 integrantes que vai dirigir o grupo ao longo de, pelo menos, 4 anos, caso a federação seja formalizada.

O critério acordado inicialmente pelas quatro legendas foi o de que o número de assentos na assembleia da federação seria decidido levando em conta o total de deputados que cada sigla tem na Câmara. Com isso, dos 50 cargos, o PT ficaria com 27, o PSB, com 15, e PCdoB e o PV, partidos que também integram o grupo, com 4 cadeiras cada um.

Já na proposta apresentada, o PSB deseja também levar em consideração o número de prefeitos e vereadores eleitos em 2020. Isso porque o partido conseguiu eleger 250 prefeitos na última eleição, contra apenas 170 do PT.

A posição do PT é também acompanhada pelo PCdoB e pelo PV, que consideram o critério do tamanho da bancada federal como o mais adequado para a divisão. Uma reunião entre as quatro legendas deve ocorrer ainda nesta semana para continuidade das negociações.

“Ninguém recebeu bem essa ideia do PSB de incluir prefeitos. Nem PT, nem os demais partidos do grupo”, disse o deputado Paulo Teixeira (PT-SP), que tem participado de todas as negociações envolvendo a formação da federação.

Outros pontos inegociáveis
Mais dois pontos são considerados inegociáveis pelo PT: um deles refere-se ao estabelecimento de um percentual de votos para o direito de veto a eventuais decisões da assembleia. O PSB quer que seja garantido esse direito caso 15% dos dirigentes não concordem com a decisão.

Outro ponto considerado intransponível para o PT é o que exige a concordância de pelo menos quatro quintos dos membros da federação para qualquer deliberação.

O partido de Lula espera manter o critério inicial que prevê a aprovação de dois terços dos membros.

Consenso
Outros dois pontos da proposta do PSB foram considerados plausíveis na cúpula petista. Um deles prevê que para a formação de chapas para deputados federais e estaduais sejam considerados os votos válidos alcançados pelas instituições partidárias nos as respectivos estados.

O PT, o PCdoB e o PV tendem também em concordar com a preservação da composição da assembleia da Federação por quatro anos de forma inalterada.

Candidaturas natas
Outro ponto reivindicado pelo PSB prevê que na definição das candidaturas sejam priorizados os candidatos que devem disputar a reeleição.

Para o PSB, esse critério deve ser utilizado para as candidaturas a prefeitos, vice-prefeitos e vereadores.

Já o PT concorda na adoção dessa forma somente para os prefeitos e não concorda para as candidaturas a vereador. Metrópoles

1 pensou em “PT não aceita mudança proposta pelo PSB na direção da federação

Deixe uma resposta