Revival da era Sarney?

O ministro da Economia, Paulo Guedes, pediu a empresários do setor de supermercados que segurem o reajuste de preços até 2023. A declaração ocorreu na semana passada, durante o Fórum da Cadeia Nacional de Abastecimento Abras, da Associação Brasileira de Supermercados. O presidente Jair Bolsonaro também participou do evento e apelou ao setor para que tenham o menor lucro possível sobre os produtos da cesta básica.

O governo que se elegeu como liberal repetidamente fez declarações deste tipo. Inclusive, o presidente já havia cobrado “patriotismo” do setor supermercadista em outras ocasiões. Agora, com a inflação como uma pedra no calcanhar dos planos de reeleição de Bolsonaro, o apelo ganha mais força.

Apesar das declarações, ainda há resistência em falar no fantasma do congelamento de preços. Ao Estadão, o vice-presidente institucional da Abras, Márcio Milan, declarou que a entidade não está falando de congelamento “de jeito nenhum”. O próprio Paulo Guedes voltou atrás, depois da repercussão negativa de sua fala e disse que foi mal interpretado.

Porém, o que representa os apelos desesperados de Bolsonaro e Guedes para conter a alta de preços? Por que a ideia de congelamento assombra tanto o mercado? Para falar sobre o tema, convidamos o economista André Braz, coordenador do  Índice de Preços ao Consumidor do FGV IBRE. O Estadão

Deixe uma resposta