Saiba os detalhes do depoimento do porteiro do caso Marielle à PF

O porteiro do condomínio Vivendas da Barra, em depoimento dado ontem à PF, mudou a versão dada em dois depoimentos à Polícia Civil do Rio de Janeiro.

Segundo relatou, ele anotou errado na planilha do condomínio o número da casa para a qual ia Élcio Queiroz, um dos acusados pela morte de Marielle Franco. Em vez de escrever “casa 66”, anotou “casa 58”, imóvel onde Bolsonaro morava.

E por que então, nos dias 7 e 9 de outubro, o porteiro do condomínio onde Jair Bolsonaro tem casa disse à polícia fluminense ter ouvido uma autorização do “seu Jair” para que Élcio Queiroz entrasse no Vivendas da Barra?

Ainda segundo o porteiro, ocorreu o seguinte: sentindo-se pressionado por ele mesmo pelo erro cometido quando anotou os dados na planilha, resolveu contar a história sobre o “seu Jair”.

É, como se vê, um depoimento sobre o qual a PF tem ainda muito o que investigar. Há muitas perguntas a serem feitas, inclusive ao próprio porteiro.

O porteiro diz que sentiu-se pressionado por ele mesmo. Mas cabe à PF saber sobre possíveis pressões externas também. (Lauro Jardim)

Deixe uma resposta