Bira mantém linha propositiva no debate da TV Difusora e reforça discurso politizado

O candidato a prefeito de São Luís, Bira (PSB), participou, neste sábado (31), do debate da Difusora. Logo em sua apresentação, o candidato manteve linha propositiva e alertou sobre os candidatos que escondem seus aliados, segundo ele, com vergonha de mostrar quem são de verdade.

“Alguns candidatos ficam se escondendo e é um direito do cidadão saber quem está com quem. O povo maranhense foi atacado nesta semana de forma preconceituosa pelo presidente da República e alguns candidatos que estão aqui não se manifestaram contra esse absurdo. Eu me posicionei, eu tenho lado e estou do lado do povo do Maranhão”, sublinhou.

Mantendo a linha propositiva, o socialista debateu a cidade, apresentou as propostas e afirmou que quer ser prefeito de São Luís para fazer da capital uma cidade mais humana, mais bela e mais justa. Começou respondendo sobre Plano Diretor. Disse que ainda no primeiro semestre de 2021 discutirá o tema com participação ampla da população, no Congresso da Cidade. Uma proposta inovadora, frisou ele, que vai permitir a discussão dos problemas e soluções para a população, inclusive a zona rural.

Sobre infraestrutura, frisou que tratará o problema de asfaltamento na cidade o ano inteiro, durante os quatro anos de gestão, realizando beneficiamento e melhoria da pavimentação de ruas e avenidas com material de qualidade e em parceria com as comunidades.

Na Mobilidade Urbana, voltou a falar da implantação do Bilhete Único Ilimitado para garantir economia no bolso do trabalhador , da mãe e do pai de família. “É uma iniciativa que já existe e deu certo em várias cidades do país. Vamos fazer com que o trabalhador possa escolher se quer o bilhete, por uma semana, um mês ou um ano”, acrescentou.

Na Saúde, ele se posicionou contrário a privatização do Bolsonaro e defendeu o fortalecimento do SUS, o funcionamento das Unidades de Básica de Saúde com atendimento de qualidade, exames, marcação de consulta, serviço odontológico e fornecimento de remédios.

Já nas considerações finais, o socialista ressaltou a origem simples, disse que andou de ônibus, de quem estudou em escola pública a vida inteira e de quem utilizou o Sistema Único de Saúde. Ele falou da experiência como gestor na Delegacia Regional do Trabalho, com o combate ao trabalho escravo, na Secretária de Estado de Ciência, Tecnologia e Inovação, quando coordenou a implantação do IEMA, do Maranet (internet gratuita) e do programa Cidadão do Mundo (com intercambio internacional gratuito), e experiência política com dois mandatos na Assembleia Legislativa e um na Câmara Federal, sempre ao lado do povo.

Deixe uma resposta