Médica da Fiocruz diz que Brasil está 6 meses atrasado em plano para vacina

Do UOL, em São Paulo

A pesquisadora e pneumologista Margareth Dalcolmo, da FioCruz, disse na noite de hoje que o Brasil está atrasado há pelo menos seis meses com plano de logística para a vacina brasileira contra a covid-19.

“Deixamos de tomar providências do ponto de vista logístico, que poderiam ter sido iniciadas [antes]. Se sabemos que a vacinas começaram no período recorde de 8 meses, há 6 meses nós já deveríamos estar pensando, considerando a grande experiência do PNI brasileiro, deveríamos estar nos preocupando, quase um problema domestico: você se previne estocando agulhas, seringas, e mais uma rede de frios absolutamente pronta para receber qualquer vacina”, disse ela, durante o programa “Roda Viva”, da TV Cultura.

Durante a atração, o diretor do Instituto Butantan, Dimas Covas, também rechaçou o rótulo de que a vacina Coronavac, produzida pelo Instituto Butantan em parceria com a farmacêutica Sinovac, se tratava de uma “vacina chinesa”, como vem sendo chamada principalmente por apoiadores do presidente Jair Bolsonaro (sem partido). Para Dimas, o rótulo foi colocado no imunizante contra a covid-19 com objetivo “político e ideológico”.

“Primeiro, que não se trata de uma vacina chinesa, é brasileira, do Instituto Butantan. É uma vacina que será incorporada ao portfólio do Butantan. E, em nenhum momento, essa vacina será como outras, absolutamente 100% chinesa”, rebateu Dimas.

“A vacina de Astrazenca é produzida na China, a matéria-prima é produzida em Wuhan, a matéria-prima que usamos é produzida em Beijing [Pequim, capital da China]. As duas fábricas, tanto da Sinovac como a que foi contratada pela Astrazeneca, foram inspecionadas recentemente pela nossa Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária). Esse é o ponto principal: o rótulo que foi colocado é absolutamente com a finalidade política e ideológica”, acrescentou.

Em seguida, Dalcomo criticou o rótulo recebido pela Coronavac, do Butantan, e disse se tratar de um “preconceito até ingênuo”.

“As pessoas têm que entender para acabar com esse preconceito que é até ingênuo, né? Da vacina chinesa, ou algo assim. A China é o maior produtor de insumos em biotecnologia do mundo. Se formos levar na ponta da faca, é tudo chinês. A fábrica que produz o insumo para Astrazeneca fica na China e foi visitado agora. As pessoas têm que saber disso, que tudo que recebemos, até matéria-prima, para fazermos remédio.”

Participaram do programa a infectologista e atual vice-presidente do Sabin Vaccine Institute, Denise Garret, o presidente do Instituto Butantan, Dimas Covas, e a pneumologista e pesquisadora da Fiocruz, Margareth Dalcolmo.

Números da covid em alta no Brasil

O Brasil registrou 526 novos óbitos causados pela covid-19 nesta segunda-feira (14) e completou onze dias com tendência de alta na média móvel de mortes, com 18 estados e o Distrito Federal em aceleração. Os dados são do consórcio de veículos de imprensa do qual o UOL faz parte.

Foram 651 óbitos em média nos últimos 7 dias, o que representa uma aceleração de 24% na variação de 14 dias.

Ao todo o país já registra 181.945 óbitos causados pela doença desde o início da pandemia. Houve 27.419 novos diagnósticos positivos para a doença de ontem para hoje em todo o país. Desde o começo da pandemia, o número de infectados no Brasil chegou a 6.929.409. Foram 651 mortes em média nos últimos sete dias.

Dados da Saúde

O Ministério da Saúde divulgou hoje que o Brasil registrou 433 novas mortes causadas pela covid-19 nas últimas 24 horas. O total de óbitos provocados pela doença chegou a 181.835 desde o início da pandemia.

De ontem para hoje, houve 25.193 novas testagens positivas para a covid-19 em todo o país. Desde o começo da pandemia, o número de infectados pelo novo coronavírus subiu para 6.927.145.

De acordo com a pasta, 6.016.085 pessoas se recuperaram da doença, com outras 729.225 em acompanhamento.

1 pensou em “Médica da Fiocruz diz que Brasil está 6 meses atrasado em plano para vacina

Deixe uma resposta