Dino defende abertura de duas CPIs da Covid para separar ‘joio do trigo’

O governador do Maranhão, Flávio Dino (PCdoB), afirmou hoje que a investigação do uso de recursos federais por estados e municípios na gestão da pandemia de covid-19 é pertinente, mas que deve ser feita em uma Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) separada do âmbito federal.

“Misturar tudo no mesmo cesto é uma forma de fazer com que não se separe o joio do trigo, então vamos separar joio do trigo: façam duas CPIs”, disse Dino em entrevista ao Jornal da CBN.

A CPI da Covid atual não pode investigar estados e municípios, uma vez que existem os parlamentos estaduais e municipais para isso, segundo o governador do Maranhão, citando a Constituição e seu princípio federativo. “Eu não me oponho que a CPI alcance a investigação de fatos concretos que envolvam estados e municípios, desde que isso se dê nos termos da Constituição”, afirmou.

Desde que o ministro do STF (Supremo Tribunal Federal) Luís Roberto Barroso determinou a instalação da CPI da covid-19 no Senado, o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) vem utilizando uma estratégia indireta na tentativa de dissuadir os parlamentares: pressionar a Casa a ampliar o escopo da investigação.

“Parece que há aspectos jurídicos que não estão sendo levados em conta por essa agonia, esse desespero do presidente da República de não prestar contas sobre a gestão desastrada da pandemia em todo o território nacional”, comentou Dino.

O governador do Maranhão acrescentou que espera que a CPI da Covid faça com que o governo federal preste esclarecimentos sobre recursos públicos e decisões administrativas erradas que ocorrem até hoje, mencionando a falta do uso de máscaras, embora haja um consenso internacional que aponte a importância do uso desse equipamento no combate à disseminação do vírus. UOL

Deixe uma resposta