Governo entrega Prêmio 15 anos de Políticas Públicas para Mulheres e lançamentos marcam Dia Internacional da Mulher

Nesta emblemática data de comemoração do Dia da Mulher, ocorreu, na manhã desta terça-feira (8), a entrega do Prêmio 15 anos de Políticas Públicas para Mulheres que incentivaram a produção técnico-científica com artigos sobre igualdade de gênero, autonomia econômica das mulheres e combate à violência no Maranhão.

Idealizado pela SEMU, o prêmio integra as ações em comemoração dos 15 anos da Secretaria. Além dele, existe um conjunto de quatro editais para a ampliação da Política Estadual de Atenção à Mulher Maranhense, com recursos que chegam a R$ 4 milhões.

Durante a cerimônia de entrega do prêmio, o governador Flávio Dino ressaltou a importância das produções científicas por manifestarem as lutas e conquistas das mulheres. “Estes trabalhos científicos expressam reflexões fundamentais para que a luta das mulheres seja compreendida, iluminada e impulsionada para novas conquistas. Meu abraço e minhas homenagens a todas as mulheres do Maranhão”.

Sobre a premiação

Os artigos, escritos por mulheres com residência fixa e atuação no Maranhão, trataram do tema geral: 15 anos de Políticas Públicas voltadas para Mulheres no Maranhão. Foram premiados artigos originais e inéditos, elaborados e escritos por mulheres nas áreas de Igualdade de gênero; Autonomia econômica das mulheres e Combate à violência contra as mulheres. Serão três vencedoras em cada uma dessas áreas. Também haverá um prêmio de R$ 2 mil reais ao vencedor do Artigo Destaque.

Dezoito artigos foram selecionados e as autoras dos artigos premiados em cada área receberão ainda troféu e certificado. Os finalistas recebem também certificado de Menção Honrosa.

Programação na Casa da Mulher Brasileira

foi realizada uma programação especial na Casa da Mulher Brasileira, no bairro Jaracati. O evento teve como objetivo celebrar avanços nas políticas para o segmento, alinhar mudanças em benefício das mulheres e enaltecer o trabalho em rede realizado na instituição.

Durante o evento foi inaugurada a nova sala do plantão da Delegacia da Mulher e firmados quatro termos de cooperação técnica entre a Casa da Mulher Brasileira e as secretarias de Estado da Saúde (SES) e da Educação (Seduc). Os termos agregam melhorias às políticas públicas de combate e prevenção à violência doméstica e familiar.

“A data é esse marco, de luta pela igualdade de direitos, salarial e lembrando que a mulher tem tripla jornada de trabalho, é essa a realidade. Precisamos visibilizar o problema para enfrentar. Na Casa da Mulher Brasileira temos criado cada vez mais espaços de atendimento às mulheres para que possam sair do ciclo de violência, terem sua autonomia e poder determinar os rumos de suas vidas”, pontuou a diretora da Casa da Mulher Brasileira, Susan Lucena.

O titular da SES, Carlos Lula frisou o dia especial para lembrar “a importância a mulher, celebrar e relembrar a luta histórica por mais direitos, igualdade e as conquistas. Hoje, estamos combatendo as consequências da violência, ofertando a cirurgia prática reparadora no Sistema Único de Saúde, uma reivindicação antiga das mulheres”.

Os novos serviços oferecidos na instituição são o atendimento psicossocial em um espaço mais especializado, na Delegacia da Mulher com cabines específicas e possibilitando maior privacidade; e a oferta de cirurgia estética reparadora, em caso de mulheres que sofreram violência com lesão corporal grave ou tentativa de feminicídio; trabalhos de prevenção nas escolas; e oferta de cursos de capacitação pelo Instituto Estadual de Educação, Ciência e Tecnologia do Maranhão (IEMA).

A delegada de Polícia Civil e coordenadora das Delegacias da Mulher, Kazumi Tanaka, destacou as novas conquistas da rede de atendimento às mulheres. “Temos agora este importante complexo e o adequado acolhimento e atendimento individualizado, com mais privacidade. Sabemos que, a maior parte das que buscam esse apoio, sofreram a violência de pessoas com quem convive, conhece e às vezes, da própria família. Garante mais humanidade e acolhimento mais adequado”, explicou.

Deixe uma resposta